sábado, 29 de agosto de 2015

De zigue-zague em zigue-zague

Carrillo
A ser verdade o que vem hoje na imprensa, é apenas mais um capitulo de uma história cheia de certezas e o seu contrário. Depois de este presidente ter dito (para atacar outros) que com ele ninguém jogaria em ultimo de contrato, temos seguramente um dos jogadores mais valiosos do plantel e um dos mais influentes nessas condições. Bateu no peito feito valentão e fez ponto de ordem em rasgar mais um contrato retirando assim os 50% a Zahavi do passe de Carrillo. Hoje a imprensa dá destaque ao reconhecimento por parte do SCP dos 50% pertencentes ao empresário de forma a facilitar a renovação de contrato. Sobre isto já tinha escrito este mês o seguinte:
"A outra parte do problema é Zahavi, talvez a maior parte do problema, o empresário nem é o representante legal do jogador, mas tem (ou acha que tem) 50% do passe, o SCP não reconhece esses 50% e aqui reside para mim todo o problema e é neste ponto que me parece que o SCP se vai "entalar". Se o SCP vender o jogador como está em cima da mesa, vai fazer como fez com a Doyen, não reconhecerá os 50% e tudo será decidido nos tribunais e como se costuma dizer "enquanto o pau vai e vem, folgam as costas". Portanto não existe interesse também da parte de Zahavi de negociar o jogador, até porque (vamos supor) pode negociar com um clube receber um prémio de 5 a 7M de prémio de assinatura daqui a um ano e o jogador passar a receber 3,5M por ano.
Como sempre fui daqueles que respeitei os contratos (mal ou bem feitos), acho que assim estamos muito mais próximos de chegar a acordo com o jogador e evitar que ele vá para um rival.
Quem quiser fazer uma comparação com este rasgar de contrato e posterior reconhecimento da % do passe com o caso Doyen esteja à vontade.
Video-arbitro
É a bandeira do momento, após o sorteio dos arbitros, após ser contra quem nomeia os mesmos, agora é o video-arbitro que é fundamental... depois disso será trocar quem avalia as imagens e depois será outra coisa qualquer, o importante é ter sempre um batalha para lutar.
Isto tem 2 problemas evidentes, financeiramente é possível introduzir o video-arbitro? Todos os torneios de Tenis (para dar o exemplo de BdC) têm o "olho de falcão"? Quantas câmaras são precisas para que haja condições para o video-arbitro intervir com qualidade? Qual é a razão objectiva para que só a liga inglesa tenha a tecnologia de golo? Existe ainda um longo caminho a percorrer a nível financeiro para que isto seja sequer uma possibilidade.
Depois para mim vem o maior problema de todos, porque o dinheiro como tudo na vida pode se arranjar com maior ou menor facilidade, o futebol é um desporto muito particular, por algum motivo é o melhor desporto do mundo e é adorado por tanta gente.
Qual seria o critério para utilizar o video-arbitro? No tênis quando é solicitado por um jogador, em caso da bola ter sido chamada fora ou ter sido ponto, o jogo está parado e o "olho de falcão" toma uma decisão, mas se o jogador solicitar e a bola tiver sido dado como boa se não tiver razão... perde o ponto! E no futebol como seria?
No Rugby, na NBA, na NHL, no Hoquei de campo, no Volei, o video-arbitro só é utilizado com o jogo parado, na NBA, para decidir de quem é a posse de bola, se a falta é "normal" ou anti-desportiva, na NHL se houve intenção de perder tempo ou com que parte do corpo foi introduzido o disco, no Volei, se bateu dentro ou fora, ou se bateu ou não no bloco, se alguém tocou na rede, no Rugby se houve ensaio ou não, no hóquei em campo se a penalidade foi convertida no tempo regulamentar... e isto podia continuar.
Passando para o futebol, a tecnologia da linha de golo é simples de avaliar, entra... é golo, não entra segue o jogo! Mas e o resto? Vamos então pegar no caso do corte escandaloso com a mão em nossa casa pelo Russo, a bola saiu nessa altura podia ser chamado o video-arbitro, mas se em vez de ter saído se tivesse ficado com o Gr, nessa altura pode ser chamado o video-arbitro? E se for chamado e não tivermos razão? Qual é a penalização? As pessoas já pensaram que podemos estar a introduzir uma alteração que pode revolucionar o jogo para pior? Vamos pensar apenas o seguinte, um possível falta na entrada da área em que o jogador que faz o corte (em falta ou não só saberíamos com o video) lança o contra ataque e isola o seu colega (é difícil imaginar este cenário?) a equipa que reclamou falta e agora se vê com uma jogada de perigo para nossa baliza pode recorrer ao "video-arbitro" para cortar essa jogada?
Os critérios de utilização nos outros desportos não se podem utilizar no futebol e pela especificidade da modalidade vejo com muita dificuldade essa possibilidade nos termos e nos exemplos que estamos a dar.
Mais importante que tudo isto é vencer em Coimbra, isso sim é importante!
Saudações Leoninas

16 comentários:

Mike Portugal disse...

"Vamos então pegar no caso do corte escandaloso com a mão em nossa casa pelo Russo, a bola saiu nessa altura podia ser chamado o video-arbitro, mas se em vez de ter saído se tivesse ficado com o Gr, nessa altura pode ser chamado o video-arbitro?"
RE:Sim, se o árbitro permitir.

"E se for chamado e não tivermos razão? Qual é a penalização?"
RE: Nenhuma. Continua com o GR.

"um possível falta na entrada da área em que o jogador que faz o corte (em falta ou não só saberíamos com o video) lança o contra ataque e isola o seu colega (é difícil imaginar este cenário?) a equipa que reclamou falta e agora se vê com uma jogada de perigo para nossa baliza pode recorrer ao "video-arbitro" para cortar essa jogada?"
RE:Não. Só se o árbitro não permitir a marcação rápida da falta. Se permitir então a jogada só pode ser avaliada pelo video, depois. E se, de facto foi falta, tudo o que aconteceu depois terá que ser anulado (golos e cartões).

Mas isso teria um limite LR. As equipas só poderiam usar o video X vezes por jogo para reclamar faltas, de forma a não haver abuso, por exemplo: só se poderia usar 3 vezes o vídeo por cada parte do jogo.

Ma B disse...

O video arbitro seria muito bem utilizado em casos de golos duvidosos sejam eles mal anulados ou mal validados. Golos em foras de jogo, ultrapassa linha...situacoes duvidosas que nao da para confirmar a olho nu e sao suscetiveis de protesto. O video arbitro em 5 segundos tem acesso às imagens. Por isso nesses casos acredito perfeitamente que faz falta o video arbitro...se na nba mesmo sem protestarem os arbitros perdem um minuto por 2/3 pontos em 100 porque nao perder 10 segundos no futebol?sl

leao revisor disse...

Mike Portugal e Ma B

Só para esclarecer, digo o seguinte:

Eu não sou contra o video-arbitro, aquilo que digo é que o futebol é uma modalidade que tem naturalmente uma especificidade diferente de todas as outras.

Acompanho vários desportos e as decisões pelo video-arbitro não são assim tão rápidas muitas vezes, já assisti a decisões que demoram vários minutos e que continuam a suscitar várias duvidas.

Mas aquilo que para mim é muito complicado e isso será o factor que dificilmente colocará o video-arbitro no futebol são quando se e como se pode utilizar o video-arbitro.

O futebol é um jogo dinâmico, um lance falhado numa baliza, no contra-ataque pode originar golo do adversário. Se utilizarmos essa lógica de 3 hipóteses de utilização, na parte final do jogo não existem contra-ataques por exemplo porque as equipas vão querer parar o jogo nessas circunstancias.

Se me derem critérios para utilização do video-arbitro que sejam claros e objectivos eu fico convencido.

Ma B disse...

Situacoes que obrigatoriamente o jogo ira parar tais como golos mal anulados - fora de jogo, falta, canto, pontape baliza - o jogo ira parar de alguma forma. E golos mal validados o jogo para porque é golo. Sao situačoes mto especificas.

AJS disse...

sim... E no caso de um fora de um lance que o arbitro corta a jogada por pretenso fora de jogo. Faz-se o quê?

Ma B disse...

Se o jogo está parado quem é que vai cortar a jogada? Sempre que a bola entra na baliza o jogo para certo? São desses momentos que estou a falar, momentos em que houve efectivamente golo e no caso de ser um golo mal validado há espaço para a outra equipa protestar e vice-versa. Quando há um golo perdem-se 1 a 2 minutos com os festejos porque não perder 30 segundos a analisar um lance duvidoso a olho nu? Faltas, foras de jogo (sem ter sido golo), penaltis, etc já é mais complicado agora quando há efectivamente golo o jogo está parado. Seria muito mais justo. Não consigo afirmar a 100% se na russia a bola saiu ou não (só sei que não me lembro de ver um golo deste género anulado em toda a minha vida) mas estando o jogo parado um video com foco naquela linha esclarecia todas as dúvidas tendo ou não razão no final seria o mais justo.

Marad0na disse...

o que eu não entendo é como é que esta não é também a tua luta, o Sporting é roubado semanalmente e tu achas que é só mais uma batalha da trampa.

já agora na nfl o video arbitro serve para ver em caso de duvida se é touchdown, engraçado que nao fizeste referencia a este desporto americano.

uma coisa é certa estás bem alinhado com o poder, agora é com o sr blater nas suas ideias contra a introdução de novas tecnologias.

J.Heleno disse...

Bom dia,

A introdução das novas tecnologias é a única forma de credibilizar o próprio jogo e assegurar a verdade desportiva.

O ridículo da questão é que os próprios árbitros, se tivessem minimamente preocupados com a verdade desportiva, deveriam ser os primeiros a chamar o assunto à discussão e a pugnar pela introdução de meios tecnológicos capazes de auxiliar o seu trabalho.

Por outro lado, não vejo qualquer problema de exequibilidade prática, basta parar para pensar um pouco no assunto, haja vontade.

Por último e já que estamos a falar na evolução do futebol (sim é disso que se trata) acrescento ainda que é URGENTE encontrar medidas para combater o anti-jogo cada vez mais utilizado pelas chamadas equipas pequenas sempre que defrontam um grande.

leao revisor disse...

Se o critério for se o jogo estiver parado podemos usar o video-arbitro se não parar não se pode, sou contra. Basicamente é isto. Se me derem um critério justo e que se adapte à especificidade do futebol posso mudar de opinião.

leao revisor disse...

Porque nessa teoria, o penalty claro sobre o slimani em Coimbra não poderia ser marcado.

Ferreira disse...

Ou somos pró evolução no futebol ou somos contra. Querer deixar tudo na mesma porquê? O vídeo-arbitro é uma ideia, uma base para a discussão. Não é o produto final. Eu sou contra erros de arbitragem clamorosos. Isso sim. E é bom não esquecer uma coisa: esta solução protege em primeiro lugar os árbitros e é estranho esta classe (de cronicos incompetentes) não querer desenvolver e trabalhar nesta ideia, ou noutras. Ou talvez não...

Ma B disse...

Tudo bem LR, mas um penalti é uma coisa um golo é outra. Num penalti existe cerca de 80% de probabilidade de haver golo, não é um acontecimento certo. Um golo mal validado ou mal anulado é um acontecimento certo. Acredito que muitos enganos nesta parte acontecem por nem sempre ser de fácil analise, tal como fora de jogo no limite (lembro-me do golo em fora de jogo contra o porto), a bola saiu ou não...etc...Situações dificeis de ver em real time.

Alguma vez o árbitro na russia conseguiu ver que a bola saiu? Normalmente essas situações os arbitros marcam quando é de facil analise, agora assim tão duvidoso está visto que foi roubo. E com os protestos do sporting haveria espaço para numa simples camera junto a bandeira de canto (essa camera existe mas engraçado que não temos imagens completas do lance) verifcar a situação e neste momento provavelmente estaríamos na CL.

Faltas, Penaltis, coisas do género não concordo porque isso depende muito da competência do senhor do apito, ou seja não são de tão dificil analise. Esse penalti do slimani só não vê quem não quer. Mas enfim depende muito da competência (e não só) do arbitro se acha que é falta marca se não, não marca e a vida continua. Se tivesse marcado não seria garantido que marcassemos.

A minha ideia passaria por ser utilizado somente em situações de golo e como pressupostos:

- Lances duvidosos susceptíveis de protesto da parte da outra equipa
- Com a tecnologia que temos o 4º arbitro poderia muito bem ter um Ipad pronto para essa situação
- Acontece o golo duvidoso, o arbitro valida em primeira instancia, a equipa prejudicada protesta, o 4º arbitro (ou outro) analisa, por fim o arbitro não valida e a bola começa no fora de jogo ou em pontape de baliza, etc...

Admito sim que poderá haver uma situação mais complicada de colocar em prática - remate que bate na trave entra e sai. Aqui o jogo so poderá parar se o arbitro o interromper.

Saudações Leoninas

Petinga disse...

1. As dúvidas de quem escreveu o post sobre a tecnologia do video-arbitro e a sua utilizacao/implementacao no futebol moderno sao legítimas.

2. Na caixa de comentários há várias propostas bem fundamentadas e abertas à discussao. Mas o autor do post responde coisas como "Se me derem um critério justo e que se adapte à especificidade do futebol posso mudar de opinião."
Isto já parece simples má-vontade. Era mais honesto escrever "nao concordo com a introducao do video-árbitro porque nao me apetece".

É óbvio que, a existir, a tecnologia do video-árbitro tem que ser introduzida aos poucos e de forma experimental. E é também claro que tem o potencial de revolucionar o desporto-rei. Nao querer discutir o assunto é que é pouco razoável.
Também é pouco razoável achar que vai resolver todos os problemas do futebol (porque eles sao muitos) ou sequer achar que vai resultar. Quem nao se lembra do golo dourado e do golo de prata, medidas originalmente aplaudidas por uma grande maioria e que eventualmente se revelaram infrutíferas (nao sem antes finais de competicoes terem sido decididas pelos ditos).

J.Heleno disse...

Nem mais Petinga,

A verdade é que o problema é esta medida ser defendida pelo nosso Presidente, daí merecer o descrédito/relutância do autor do Post.

Continuo a dizer, não é necessário ser muito inteligente para perceber que discutindo o assunto, é relativamente fácil alcançar formas práticas de paulatinamente introduzir as novas tecnologias no futebol.

Só não vê quem não quer ver.

Rodrigo disse...

O Godinho teria defendido a tecnologia no futebol há 2 anos.
E o LR escreveria um post a defender isso mesmo.

Diogo Marques disse...

não digas isso aqui Rodrigo, é proibido