segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Apostar ou estoirar a formação?

É algo que venho alertando de uns tempos para cá, não sou daqueles que avalio o desempenho da direcção unicamente pelos resultados obtidos, mas considero que ganhar é algo importante também para a formação.
Aquilo que eu tenho assistido nos últimos tempos é uma ignorância e uma insensibilidade gritante em relação à gestão dos jogadores. Não chegava a equipa principal estar má, conseguimos criar condições para que a equipa B e os juniores entrem em declínio. Esta semana, voltámos a tirar jogadores à equipa B (já nem falo do Eric e do Esgaio) para ficarem a olhar a equipa principal de jogar. Depois tirámos o Mané ao juniores para jogar na equipa B, resumidamente não ganhámos em nenhum escalão!
Se querem continuar com esta fantochada ao menos tenham o bom senso de marcar os jogos para dias diferentes para no mínimo fazerem o que já foi feito com Pedro Mendes que foi à madeira ver o jogo com o Nacional chegou a Lisboa de madrugada foi para Tondela chagando às 4 da manha, jogou às 11h e ganhámos o jogo.
Outra coisa que também devemos pensar sobre este tema é o que devemos fazer para defender os jogadores que são lançados na equipa principal. Para alem de entrar numa equipa completamente sobre brasas, que não os ajuda minimamente, o nosso treinador, ou o treinador dos treinadores deverá pensar que um jovem que entra numa equipa nova convem lhe dar alguma estabilidade, o Eric por exemplo já jogou a Lateral e a Central, o Esgaio já jogou a extremo (de um lado e de outro) no meio e a lateral. Ora isto parece-me que em nada beneficia a sua inclusão na equipa principal.
Termino com uma avaliação que devemos fazer no final da época, Sá Pinto a bem ou mal (veremos lá está) colocou no SCP pessoas na sua confiança, basta olhar para as equipas técnicas que chegaram ao SCP e as suas ligações ao antigo técnico do SCP. Não critico nem aplaudo esta remodelação, aquilo que posso dizer é que foi uma aposta de risco que o clube fez já que a nossa formação (e consequentemente quem lá trabalha)teriam qualidade.
Saudações Leoninas

10 comentários:

Unknown disse...

Revisor,

Trata-se de um post em que percebo as suas preocupações, mas que me parecem ser de certa forma infundadas.

A equipa de Juniores e Equipa B são equipas para preparar a Equipa A num período de 3-5 anos. Se ganhar melhor.

Primeiro, o campeonato de juniores de nada interessa nesta fase. Quanto mais treinos e jogos os juniores fizerem na equipa B melhor. O Iuri Medeiros, Luis Cortez, Lazaro, Tobias e outros têm estado constantemente a alternar entre equipa B e juniores. E isso não nos impediu de continuar na next GEN, ganhar a Lions Cup e continuar em 1º lugar numa fase em que nem necessitamos de estar em 1º.

Quanto à equipa B, o mesmo se aplica. Quanto mais treinarem e jogarem pela equipa A (mesmo que a principal razão para o efeito seja equipa A estar no estado em que está) melhor.

As melhores práticas assim o dizem. Por melhores práticas digo o Barcelona que apostam nos jogadores da equipa B de forma faseada e sustentada. Veja-se que nos últimos 2 anos o Barcelona lançou Bartra, Fontas, Montoya, Muniesa, Sergi Gomez, Planas, Jonathan, Sergi Roberto, Rafinha, Cuenca, Deulofeu e Tello. Nenhum deles é titular e apenas 3 deles têm uma participação regular na equipa A. Muitas vezes são convocados pela equipa A, não jogam e também vêem-se impedidos de jogar pela B.

O que interessa é os jogadores da B treinarem com a equipa A. Interagir com jogadores mais experientes e com um nivel competitivo superior.

Porque não haveria o Pedro Mendes ser convocado se não havia mais nenhum central disponível?

Porque não havia o Zezinho ser convocado se não há mais nenhum trinco?

Ou o Dier se os nossos laterais e centrais são fracos?

Já o João Mário jogou pela equipa B contra o Penafiel.

Dito isto, considero a gestão que se está a fazer perfeitamente aceitável, partindo do pressuposto que o objetivo da formação é formar jogadores para a equipa A.

Quanto à aposta na posição dos jogadores (ainda por cima numa equipa sobre brasas), concordo.

leao revisor disse...

Unknow

Então mas que lá vai fazer o nosso 3º Gr para o aquecimento?

Eu até concordo com o que dizes, mas a Academia é uma marca que rende muitos milhões anuais ao clube. E rende porque nós no final de cada ano quando queremos aumentar os contratos ou mesmo continuar a expansão, enumeramos os jogadores que lançamos mas tambem enumeramos as conquistas. A equipa B utilizando os jogadores que começaram a época estaria entre o 1/2º lugar no final de época. Os juniores utilizando os jogadores com idade junior era campeão.

Não sendo fundamental, num ano em que está a ser um descalabro completo a 1º equipa, talvez fosse melhor pensar um pouco nas outras conquistas que o clube pode dar para amenizar a nossa "dor"

T1 disse...

a falta de estrategia leva a que se tomem medidas avulsas dessas sem nexo nenhum...

Endhoscopy disse...

A questão colocada é pertinente e deveria ser colocada num princípio muito simples: não devemos falar da equipa principal e da equipa B. Há, ou deveria existir, um plantel.

Nesse plantel, deveria existir complementaridade técnico-tática, podendo os jogadores evoluir, à priori, em qualquer uma das equipas. Existe uma, clara limitação, o calendário é demasiado coincidente.

No que respeita à aplicação prática deste princípio, penso que este ano não pode ser exemplo para nada. Estamos em janeiro, e o sporting ainda não conseguiu estabilizar um onze titular, muito menos um modelo de jogo.

Quando se falta em qualidade, ou falta dela, estranho a incapacidade dos diferentes treinadores em definir uma estrutura clara no plantel. Neste momento, a falta de resultados nasce desta situação, com particular evidência no meio-campo.

Os jogadores estão completamente perdidos entre constantes mudanças e níveis anímicos horrorosos. A estrutura da SAD é porosa e não defende o grupo. O treinador não consegue esconder o filme de doidos em que está metido.

E o Sporting caminha a passos largos para uma situação inuadita. E acreditem, o futebol apresentado é mesmo muito mau.

o Sporting necessita neste momento de clarificações. E identidade. Godinho Lopes já se deveria ter demitido e marcado eleições antecipadas. Jesualdo deve pegar na equipa nos mesmos princípios que Couceiro desempenhou ainda há pouco tempo.

JMM disse...

O problema não é haver movimento dos juniores para a B e da B para a A. O problema é esse movimento ser feito para depois os jogadores em causa não jogarem de todo.

Se Zezinho, João Mario, Dier e Esgaio sobem para os A têm de subir para jogar. É absurdo ter esses jogadores no banco! Se é para os ter no banco ao menos que se faça de forma a ter condições para jogar depois na B.

Mike Portugal disse...

Lançar jovens na equipa principal numa altura destas é estar a queimá-los desnecessariamente. É verdade que temos lá uns quantos que individualmente são muito melhores que os titulares, mas enquanto a equipa não estiver a ser bem orientada não adianta de muito eles estarem lá.

Quanto ao plano de carreira (que é o que na realidade está aqui em discussão), há de facto desde há muitos anos uma falta de estratégia. Desde não haver quem siga os jogadores a tempo de lhes renovar contrato, saber se estão satisfeitos, quais as expectativas, etc....

Verde CDV disse...

Que se saiba o Telmo e o Abel já estavam a comandar as suas equipas antes de Sá Pinto.
Pelo que somente Pedrosa entrou directamente para comandar os Juvenis.

As equipas B's foram criadas para fazer rodar e crescer os jogadores saidos os juniores e outros emprestados.
Não foram criadas para ganhar nada.
A nossa equipa B está a concretizar esse proposito com tremendo exito e além disso a fazer um campeonato muito acima do esperado.

Todos nós gostamos de ganhar em todas as modalidades e em todos os escalões, mas também temos de perceber o que quer dizer formação.
Parece que o Sporting lidera esse paradigma, pois não somos os que temos mais campeonatos ao nível da formação no futebols, mas somos o clube que mais jogadores dá ao futebol português.
Logo o nosso paradigma deve ser o mais correcto.

Ou se é preso por ter cão ou por não ter e neste caso aplica-se o proverbio.
Após esta brilhante campanha e depois do fiasco de algumas compras, logo vieram muitos dizer que se devia chamar 6 ou 7 da equipa B. Alguns foram mais longe e diziam que se devia trocar a equipa B pela A.
Em que ficamos?

É obvio que treinar e jogar na equipa A, não é o mesmo que treinar e jogar na equipa A.
E os jogadores têm de estar 100% disponíveis para a equipa A, quer joguem ou sejam suplentes utilizados ou nem joguem sequer.

O que é mais importante?
- A equipa A conseguir vitorais e chegar á Europa
- A equipa B gangar a 2ª Liga.

Acho que a resposta é obvia.
Acho que não estamos a "queimar jogadores", mas sim a faze-los crescer. Ou não será a chamada para um escalão acima uma promoção e um factor de crescimento dos jogadores.
E ainda não perdemos ou ganhámos nada. As fases importantes ainda lá hão-de vir.
Nessa perspectiva o SCP não jogava a Next Generations, porque não temos equipa de Juniores para ganhar o campeonato de Juniores e a Next Generations.

Unknown disse...

Revisor,

Essa do 3º guarda-redes escapou-me. Provavelmente é por precaução no caso de um gk se lesionar no aquecimento. é a única razão plausível que encontro.

Eu sou da opinião que os jogadores da equipa B têm de ser titulares na A se forem a melhor solução. Se forem a melhor solução alternativa (como Pedro Mendes e Zezinho este fim-de-semana) devem ser convocados e irem para o banco.

Mike,

Quanto à falta de estratégia que referes, é verdade que pode ter havido um ou outro caso em que possamos ter perdido jogadores na nossa formação por não termos assinado contrato profissional atempadamente. Mas desses jogadores, quais é que vingaram no futebol profissional?

leao revisor disse...

Verde CDV

Pedrosa e restante equipa técnica, Oceano, dominguez (os 2 atenção) mais restante equipa tecnica, o Dani não entrou por divergencias no contrato e ainda entrou uma mulher para a formação mas que nem aqueceu o lugar e quando o Sá pinto saiu ela tambem saiu.

São muitas pessoas colocadas unicamente por "conhecimento" de Sá pinto, pode resultar ou não, mas a fasquia estava altíssima.

Sobre os jogadores, o problema é que eles não estão a jogar, se estivessem a jogar eu não dizia nada, eu não critico a subida do eric e do esgaio.

vitor disse...

Não acredito que haja alguém que pense que esta época é ideal para lançar quem quer que seja! Acontece que vivemos tempos de excepção e não sou eu que digo, é a evolução da conjuntura económica e os resultados desportivos! E convém que se decidam se quem chegar vem para proteger, para render ou para queimar!

Onde é que pára aquela ideia que a formação só serve para formar jogadores? Quando a competição e os resultados deixaram de ser importantes na formação mais vale ir à praça comprar bananas!

Continua a excelente recepção a Jesualdo no Fonte Segura! Afinal quantos técnicos abandonaram Alcochete?

SL