segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Excelente oportunidade

Anda meio mundo indignado com o resultado de ontem da selecção. A mim que os resultados da selecção interessam-me tanto como a migração dos pássaros para o sul, vejo este resultado patético uma excelente oportunidade para finalmente algo mudar na forma como olhamos para a formação.
O que já se dizia antes ficou provado ontem, a selecção sem o Ronaldo é pouco mais que banal, e se quiserem continuar a achar que o Paulo Bento é o principal motivo para este resultado é apenas andarem a se enganar, porque a realidade é que tirando um ou outro jogador não somos melhores em termos individuais que a maioria das selecções e depois temos o problema que a nossa forma de jogar (desde sempre) pressupõe alta qualidade individual para resolver os problemas colectivos, quando essa qualidade não existe, sentimos sérias dificuldades... até contra a Albânia.
O único lamento que posso ter é que mais uma vez os emigrantes em França não vão poder assistir à sua selecção numa grande competição disputada no local onde procuraram uma vida melhor.
A excelente oportunidade advém desta chapada que a selecção levou, tivemos uma conferencia de imprensa do presidente da FPF que me pareceu surreal, a considerar que não fizemos o suficiente no Brasil mas quem saiu foram os médicos, o treinador ainda saiu com os seus poderes reforçados. Muita coisa correu mal no Brasil, desde a planificação, aos escolhidos, aos lobbies que controlam a selecção mas vou fingir que nada disso interessa e conta e vou-me restringir apenas ao que acho que terá que ser uma mudança urgente para que a nossa selecção volte a estar a um nível aceitável.
O numero de jogadores estrangeiros na Liga é enorme, com o argumento bacoco de achar que só com estrangeiros conseguimos aumentar a qualidade das equipas nacionais lá fora, fomos hipotecando as nossas selecções jovens que ou vão jogar para o estrangeiro ou têm que "brilhar" na 2º liga.
Já escrevi aqui que devia ser a UEFA a limitar os jogadores estrangeiros em cada equipa, a regra 6+5 devia ter entrado em vigor, mas lá está os lobbies nessa altura falaram mais alto e numa altura que a UEFA aposta todas as fichas no Fair-Play financeiro obrigar os clubes a ter um numero obrigatório de jogadores vindos da sua formação limitava logo o valor gasto pelos clubes.
Também disse que não acredito que nada seja feito nesse sentido por parte da UEFA, portanto cabe à nossa federação tomar medidas que defendam os nossos jogadores, porque a verdade é que neste momento a federação só está a defender alguns clubes e os interesses de quem ganha com as transferências de jogadores. Não tenho a menor duvida que apesar da nossa formação estar a cair a pique e ter apenas mais 2 gerações interessantes e os nossos adversários começarem a ter gerações muito interessantes, repito não tenho a menor duvida que com o que temos actualmente e apesar de muitos já terem saído, com a obrigatoriedade de ter 6 jogadores formados localmente seriamos dominadores em Portugal (e se a regra entrasse em vigor na Europa) e na Europa passaríamos a estar no top.
Admito que não tenho "esperança" nenhuma que tal aconteça, apenas acredito que algo possa acontecer se ficarmos atrás da Arménia ou da Albânia, se ficarmos atrás da Dinamarca e da Sérvia será considerado apenas um acidente de percurso para os "inteligentes" que mandam no nosso futebol.
Saudações Leoninas

16 comentários:

Jorge Alemão disse...

Todos são culpados - nao culpemos apenas os clubes

Alguem duvida que Bruma ou Ilori, por exemplo não seriam titulares se tivessem permanecido no Sporting ?

Podemos responsabilizar o clube por não os conseguir segurar, mas a vontade deles sempre foi sair.

Não faz sentido obrigar os clubes a algo que não depende só deles - uma obrigatoriedade de ter X jogadores formados no "11", enfraquece os clubes, porque teriam de pagar mais para conseguir manter os melhores, ou então recorrer sempre a segundas ou terceiras escolhas para manter a Quota.

Só faria sentido algo assim, se a Fifa proteger mais os clubes que formam e poderia passar por por exemplo proibir transferencias até aos 21 anos ou no minimo ressarcir o clube formador de uma forma mais vantajosa

leao revisor disse...

Jorge alemão

E uma opinião sua, que obrigar os clubes a jogar com jogadores formados localmente será enfraquecer os clubes.

Basta pensar nos países que tem tomado medidas nesse sentido e ver que resultados tem obtido nas seleções, e ver aqueles que nada tem feito.

Ou ver os resultados dos clubes desses países.

Mike Portugal disse...

LR,

Não podes comparar o "usar a formação" em países como a Espanha, Alemanha ou França e o nosso país. Para já, eles têm uma base de recrutamento muito maior. Depois têm muito mais recursos para formar e MANTER os jogadores. E finalmente, os resultados que obtêm são só vistos nas grandes equipas que têm muito dinheiro.

Nós quanto muito poderemos aspirar a ser um Ajax, que forma para a seleção mas não os mantem durante muito tempo.

leao revisor disse...

Mike

Então vamos assumir 2 coisas, a primeira que somos apenas e só um pais que serve de entreposto de jogadores e a segunda que tivemos 2 gerações fora do comum para a o pais que temos, e que estamos a voltar ao normal e somos um pais de mediana expressão ao nível de seleções e toda esta choradeira por perder contra a Albânia e totalmente ridícula.

Mike Portugal disse...

LR,

Quanto à primeira coisa não tenho qualquer problema em assumir isso.

Quanto à segunda, tivemos de facto 2 gerações muito boas, mas não foram unicas na nossa história, portanto não é nada impossivel que venham a aparecer mais.

Jorge Alemão disse...

Revisor

Os resultados nas selecções não me interessam - o que me interessa são os resultados do Sporting

E resultados no Sporting são titulos e não apenas jogadores para a selecção que isso já fazemos

Se temos um Bruma, um Ilori e outros da mesma valia, não nos serve de nada haver uma lei que nos obrigue a utiliza-los porque qualquer treinador o faz porque tÊm qualidade - o que precisamos é de leis para os impedir de sair ou pelo menos sem lucrarmos muito por temos formado esses jogadores

Jorge Alemão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Hugo disse...

Concordo que culpar Paulo Bento de todos os males que rodeiam a selecção Nacional é um gesto crítico injusto ... mas parece-me óbvio que perder em casa contra a Albânia é algo extremamente difícil de alcançar.
Mesmo com Ricardos Costa's, Ricardos Horta's, Cavaleiro's e afins ...
Para além disso, deixar Bruma de fora e optar por Horta e Cavaleiro é apenas e somente (espero eu) responsabilidade de P.Bento.
E na eventualidade de haver forças exteriores (empresários) por detrás destas escolhas, nesse caso, P.Bento não só será mau treinador e seleccionador, como também não "os terá no sítio" (e esta até era, para mim, a grande qualidade de Bento enquanto treinador do Sporting).
Conclusão, é óbvio que a formação em Portugal atravessa uma crise profunda (e o Sporting está a contribuir muito para isso). As equipas B servem mais para fazer favores do que outra coisa.
De facto, Bento nada tem a ver com esta crise ... no entanto, daí a desresponsabilizar Bento da deprimência futebolística actual que paira na selecção vai uma grande distância.

Hugo

leao revisor disse...

Jorge Alemão

Vejamos a UEFA já limita as transferências de jogadores menores de 16 anos.

Fazer o que você "sugere" parece-me uma violação dos direitos do jogador, e foi isso que esteve na base da Lei Bosman. Portanto, mesmo compreendendo que o SCP é prejudicado com as actuais leis em vigor não me parece solução nem me parece que se chegue tão longe na UEFA nesse sentido.

Depois digo que o meu interesse pela selecção é igual ao seu, aquilo que digo é que não tenho muitas duvidas que se os nossos jovens tivessem espaço no nosso pais para jogar, a nossa selecção seria mais forte, mesmo não tendo grandes gerações. Acho que não tendo jogadores como antigamente, se jogassem com regularidade numa liga competitiva teriam outra capacidade que não têm neste momento.

Se você imaginar uma Europa onde exista uma lei que limita a utilização de estrangeiros, parece-me que apenas os melhores portugueses iriam sair (porque os nossos melhores continuariam a sair) e haveria muito mais critério nos estrangeiros que entravam no nosso pais.

Acho que estamos todos de acordo que existe muito pouco critério nesse aspecto.

Mike

Não estou a dizer que nunca mais aparecerá outra geração forte, aquilo que digo é que podemos tomar medidas que facilite que isso aconteça.

Hugo

Nunca foi minha intenção em desresponsabilizar PB pelo resultado. Aliás não sendo o principal, porque neste momento é apenas um peão no meio daquilo tudo, por se deixar levar em toda aquela máfia é tão culpado como os outros.

Ferreira disse...

O paulo bento disse várias vezes que ninguém interferia nas escolhas da convocatória e nem sequer admitia que isso acontecesse. Portanto as convocatórias são da sua inteira responsabilidade. E essas convocatórias (antes quando havia uma base melhor e mais preparada de jogadores e agora que essa base já é pouco numerosa e exige trabalho extra ao seleccionador) têm revelado incompetência e uma visão muito limitada do que é e deve ser a selecção. Um dos pontos que mais me revolta é o facto de o PB só passar a convocar jogadores quando eles assinam pelo Sporting, porto, benfica, por clubes de média baixa dimensão em espanha e, imagine-se, o braga (ou quando estes mudam de empresário). Por exemplo, veja-se o Josué, o Pedro Tiba, Ricardo Horta,etc. E o descaramento é tanto que se dá ao desplante de convocar jogadores de equipas B.
Para não falar de ter passado uma epoca inteira a ignorar o Adrien, e mesmo agora contra a Albania viu-se o apreço que tem por um dos 3 melhores medios portugueses da actualidade.

Apesar disso, acho que demitir o seleccionador é apenas uma infima parte da solução. Os quadros da federação transandam, as pessoas arrastam-se nos cargos até não poderem mais e não trazem nada de novo ao futebol. E mais importante não há interesse e tampouco coragem para mudar a situação. Um ex-dirigente do porto que estava no clube quando se passaram as negociatas do apito dourado que legitimidade tem para ocupar um dos cargos mais importantes do futebol em portugal? É vergonhoso, mas ninguém fala nisso.

Enfim. Cada ano que passa o futebol português, para mal do Sporting, mais se afunda.

Unknown disse...

A seleção de sub21 tem 7 vitórias em 7 jogos.
A geração de 93, 94 e 95 são claramente acima da média.
Há talento mais que suficiente para o futuro.

A seleção A tem Patrício, Pepe, Coentrao, William, Adrien, Moutinho, Nani e Ronaldo. Obviamente que tem obrigação de passar em primeiro no grupo. A mediocridade e pura incompetência do selecionador. O contrário seria também verdade.

candyman99 disse...

Eu estou pelo que diz o unknown. A selecao e mais fraca sem Ronaldo? Sem duvida. Agora, e fraca suficiente para perder em casa com a Albania? Nem pensar. Ela fica fraca para nao ser top 6 da europa, mas deveria ganhar facilmente a estes paises. Sobre formacao e treinador: Ha um clube em Portugal que tem jogado esta epoca com 6/7 jogadores da formacao no seu 11 inicial. Esse clube tem um meio campo praticamente todo portugues, rotinado a jogar junto, com 2 jogadores bastante acima da media. O que acontece? A selecao convoca apenas 3 jogadores desse clube, um e guarda redes e outro nunca sai do banco em detrimento de grandes craques que vieram de outras paragens. Ganhar a Albania so nao foi possivel por uma ma selecao do 11 em campo e dos suplentes (para alem da obvia fraqueza psicologica de quem treina e tem o dever de fortalecer a equipa).

candyman99 disse...

Acrescento que se o Sporting B ou os juniores do Sporting perdessem com uma equipa Albanesa consideraria um pessimo resultado.

tiscp disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
tiscp disse...

Essa medida dos 6+5, embora pudesse ser um solução, não pode ser considerada, por questões legais, em Itália queriam obrigar as equipas a entrar com 4 jogadores nacionais e a união europeia chumbou logo a ideia. Como esta regulada a europa hoje em dia é uma medida impossível de implementar.

Mas existiam soluções que caso a FIFA e UEFA assim o decidam ajudar claramente a resolver o problema, que é o caso de seguir o exemplo da Alemanha e as suas medidas de sustentabilidade.

Se houvesse em todos os campeonatos auditorias financeiras (mensais) como existe no campeonato alemão, deixaria de ser possível haver orçamentos como existe em Portugal e as equipas passariam a gastar de acordo com as suas receitas, o que obrigaria a uma maior contenção e apostas em formas mais sustentáveis de compor os seus planteis.

Mas isto também so faria efeito, com outra medida, a extinção dos fundos e redução da margem de manobra dos empresários.

Estes são os dois cancros que mais ameaçam o futebol de hoje em dia, mas com a proibição da partilha de passes e impossibilidade da existência de comissões resolvia-se.

Se os organismos assim o entendessem, com mecanismos de transparência, estes problemas resolviam-se e ai sim poderia voltar-se a moralizar o mundo das transferências, resolvendo assim muitos dos conflitos de interesse eu pairam à volta de clubes, selecções e agentes.

Quanto ao senhor bento, já não existe nada a dizer, agora relativizar a responsabilidade de alguém que colabora com todos estes esquemas é obra.

A federação esta podre de cima a baixo, numa estrutura onde um ivan cavaleiro e um andre gomes conseguem ser soluções para uma selecção principal o Carlos Mane consegue ser suplente nos sub 21. Brilhante a iluminação de todas estas mentes.

tiscp disse...
Este comentário foi removido pelo autor.